• “Não há nada de novo sob o sol”

    “Não há nada de novo sob o sol”

    Conforme um estudo recente, o TAI CHI CHUAN é uma metodologia original que nasceu da combinação de três antigas artes marciais chinesas:

    PA CHI CHUAN, XING YI CHUAN e CHANG CHUAN.

    Do Pa Chi e do Xing Yi (considerado um derivado do Pa Chi) vieram as posturas de imobilidade e as séries curtas de movimentos lineares explosivos (YANG) com o emprego de todo o peso nos golpes. Com a inclusão da estratégia do Chang Chuan (Punho Longo) de ocultar a circulação da energia cinética através do encadeamento de várias posturas entre si em um fluxo contínuo de movimentos em espiral (YIN), nasceu o TAI CHI CHUAN (e acredita-se também o Pakua Chuan). E o EFEITO SINOMOTOR foi o fruto inesperado dessa união entre o Yin e o Yang no corpo e na mente dos seus primeiros praticantes notórios que conservaram esta habilidade técnica em relativo segredo até meados do século 19.

    A seguir, vídeos de ação e demonstração de cada uma destas disciplinas de combate que influenciaram na composição do estilo de TAI CHI praticado e ensinado exclusivamente na Academia Imoto.

    As similaridades entre o antigo Chang Chuan e os estilos modernos de TAI CHI CHUAN não são mera coincidência: posturas tais como a do Chicote Simples, Serpente Rastejante, Golpe de Palma e a circularidade e amplitude dos movimentos são evidentes em ambos os sistemas. O que diferencia o TAI CHI é a suavidade e moderação nos passos e gestos como forma de camuflar o violento poder de impacto através de ondas de choque proveniente da sua base oriunda dos deslocamentos súbitos e explosivos do Pa Chi Chuan e do Xing Yi Chuan.

    E a mesma pesquisa sobre as origens do TAI CHI também aponta que o Caratê nos seus primórdios teve profunda influência dos princípios internos do TAI CHI na composição das suas formas (Kata). Porém, devido a circunstâncias geográficas e políticas, os mestres de Okinawa ficaram literalmente ilhados e sem comunicação com a fonte (a China), o que acabou causando excesso de rigidez e falta de espontaneidade nos movimentos dos seus alunos. Mais sobre essa pesquisa realizada por um carateca europeu neste link (em inglês): https://toshujutsu.wordpress.com/2014/05/01/e-book-the-lost-book-of-kushanku/

Comentar

Descartar Resposta