m
ARTIGOS, EVENTOS & NOTÍCIAS

Academia Imoto

PERGUNTAS RECENTES DE UM LEITOR EUROPEU DO LIVRO “A ARTE SINESTÉSICA DA CONTEMPLAÇÃO”: Movimento New Age, Cultos, Honestidade entre outros tópicos.

LEITOR: Interessante, não é? Agora as pessoas até começam a vender cursos de Iluminação.

PROF. IMOTO: Rá, rá! Criar Superegos é fácil, de fato!

LEITOR: Sim.

PROF. IMOTO: Observe como as seitas nascem: alguém se apresenta como um “Iluminado”, como um “Ser Especial”, ou como um anônimo qualquer que, por seu próprio esforço, conquistou um lugar acima dos outros. Essa atitude autoconfiante atrairá outros egos que também desejam se tornar Superegos. Com seguidores, a seita se expande e se espalha. E somente quando se depara com outro sistema maior de seitas, ela para. Mas mesmo se confinada a um gueto, essa seita continuará a sobreviver sugando seus seguidores leais.

Quaisquer agrupamentos de pessoas ao redor de uma ideia ou personalidade são basicamente estratégias do ego para se perpetuar mudando tudo (exceto a si mesmo) para manter tudo como está.

Depois que o animismo foi convertido em xamanismo para vender produtos e serviços no mercado da Nova Era, nada mais me surpreende.

LEITOR: Verdadeiro.

PROF. IMOTO: Então, não me preocupo se você ou qualquer outro leitor tentar transformar A Arte Sinestésica da Contemplação em uma seita. Assim que o primeiro “seguidor” tiver uma série de experiências contemplativas em sinestesia, ele deixará o grupo para viver sua própria vida com segurança e bem-estar. É infalível.

LEITOR: Essa é a grande vantagem disso.

PROF. IMOTO: Escrevo com a única intenção de compartilhar uma alternativa para meus semelhantes que também estavam em conflito com o ego, mas não sabiam como ir além dele. Se eu quisesse ganhar milhares de dólares, bastaria escrever livros que louvassem o Estado e a Sabedoria Antiga de nossos ancestrais.

LEITOR: É verdade, não tenho dúvidas disso. Você parece muito honesto sobre todas essas coisas.

PROF. IMOTO: outro motivo, embora secundário, é que foi a única forma que encontrei de adiar o processo de controle absoluto e despovoamento sistemático em curso há algumas décadas. Assistir a este filme mexicano pode ajudá-lo a entender este ponto que muitos se recusam a sequer considerar:

 

 

Conheço a Cidade do México e já visitei alguns sítios arqueológicos lá. O que mais me surpreendeu e sei que moro em outro país com enorme desigualdade social, é o sistema de castas (ou classes, como preferirem) cultivando um ressentimento social que mostra o quão perigoso pode ser um ego ferido e subjugado. E isso, obviamente, assusta e gera reações das elites (compostas também por egos e Superegos).

Um planeta sistematicamente despovoado e controlado militarmente é apenas uma distopia para aqueles que estão sobrevivendo nas castas mais baixas. Para a elite, é uma utopia total, cheia de conforto material, amor livre e avanços tecnológicos. Neste sistema escravista em que vivemos, este será o próximo passo. É previsível para a inteligência nativa de muitos pensadores ao redor do mundo. E ao mesmo tempo, inevitável.

O cientista racional Bill Gaede me disse:

“— Vivemos tempos estranhos, Luke! Esteja preparado para o pior e… durma com um olho aberto.”

Mas estes não são tempos estranhos quando olhamos sem o véu do ego para o mundo objetivo e observamos os eventos ao nosso redor. Portanto, não precisamos viver com medo se todos os estratagemas atuais nos levarem à extinção parcial. Até lá, e isso pode acontecer em alguns anos ou décadas, o importante é estarmos vivos e contemplando o mundo objetivo, enquanto pudermos.

Como genitor / autor de A Arte Sinestésica da Contemplação, não incentivo nem desencorajo os leitores que pretendem escrever e-books, podcasts, blogs... sobre a sinestesia contemplativa. Isso pode deixar alguns deles perplexos. Mas em um ou dois meses, eles verão por si mesmos que sua decisão foi acertada. Você não deve ter medo de arriscar ou ousar compartilhar suas experiências de contemplação sinestésica com seus companheiros.

Tenho outra boa notícia para você: com um Superego, ou seja, com um ego cristalizado como o vidro, será mais fácil quebrá-lo e superar esse estado alterado de consciência. Mas só se esse Superego entender que ele é a única barreira entre a mente e o mundo objetivo!

LEITOR: Fiquei preso na ideologia marxista e comunista por muito tempo, embora nunca tenha simpatizado com os indivíduos. Eu acho que a maioria deles realmente não vê o capitalismo como um sistema ruim para os humanos, mas apenas vê os ricos como o problema. Agora eu também entendo que todas as utopias e outras ideologias são apenas um rosto diferente do censor, do ego.

Mas minha pergunta é: como posso saber se tenho ou não um Superego?

PROF. IMOTO: Das várias maneiras de detectar (por meio da apercepção) um Superego, a ausência da sinestesia contemplativa é a melhor pista. UG Krishnamurti alegou que seus sentidos, após a “Calamidade” (uma Anástase incompleta), começaram a operar independentemente um do outro. Ele estava a um passo da contemplação na sinestesia, mas estagnou naquele estado alterado de “consciência” (o “Eu Análogo” conforme definido por Julian Jaynes) e morreu nele.

Felizmente, mesmo um Superego pode experimentar e despertar a contemplação sinestésica a qualquer momento que escolher. Mas se esse Superego insiste em confundir essa experiência com algo místico ou espiritual, isso reforçará ainda mais sua autoilusão. É uma faca de dois gumes.

Quando UG Krishnamurti morreu em março de 2007, eu estava trocando e-mails com um amigo indiano dele, o Sr. Mukunda Rao. Pretendíamos lançar “A Mística da Iluminação” no Brasil por meio da editora onde trabalhei. Na ocasião, pelo conteúdo das mensagens que recebi acompanhando os últimos dias da UG, vi quão consternados e tristes estavam seus amigos (aliás, muitos seguidores). Eu, por outro lado, senti um alívio quando o Sr. Rao me disse que UG havia falecido. Não entendi esse alívio quando soube da morte de UG, mas alguns anos depois tornou-se evidente: a vida naquele estado alterado de consciência, nem no transe bicameral do esquizofrênico nem no estado ególatra da massa, consumia o corpo de UG como um câncer mental (comentei sobre isso em um grupo dedicado à UG no Facebook e fui banido pelo administrador do grupo…). Suspeito que alguns segundos antes de UG morrer, ele se livrou daquele enorme estado alterado de Superego que poucas pessoas alcançaram além dele. Poucos segundos antes da morte, o cérebro libera substâncias como DMT e hormônios que também são secretados durante uma experiência de contemplação sinestésica.

LEITOR: Muito interessante. Então, você acha que quando as pessoas entrarem no processo de morrer, no final todas estarão em contemplação sinestésica? Certa vez, tive um ataque de pânico, não era capaz de me mover e não conseguia recuperar o fôlego. Eu senti que iria morrer nos próximos minutos, mas em vez de pânico, eu me senti de alguma forma em paz com isso e meu corpo assumiu o controle. Não havia medo algum.

PROF. IMOTO: Os relatos de experiências de quase morte também estão repletos dessas descrições típicas de união dos sentidos, criando uma sensação de proximidade com o mundo objetivo. Mas o pano de fundo religioso (ou agnóstico) das pessoas adorna essa experiência: os cristãos veem as portas do céu (ou do inferno), outros veem um túnel-caverna (a visão em túnel que precede a união da visão com os outros sentidos) e outros também uma luz, alienígenas, velhos amigos, parentes falecidos etc. Depois disso, o ego, na maioria dos casos, fica paralisado, inerte. O livro “Shamanic Graffiti” traz mais detalhes sobre como os alucinógenos psicodélicos, inclusive os produzidos pelo próprio cérebro (e seu DMT é o mais poderoso), estão presentes nessas experiências de dissolução do ego, e não de “morte do ego”.

 

“…Certa vez, tive um ataque de pânico, não era capaz de me mover e não conseguia recuperar o fôlego. Eu senti que iria morrer nos próximos minutos, mas em vez de pânico, eu me senti de alguma forma em paz com isso e meu corpo assumiu o controle. Não havia medo algum.”

 

Sim. Essa catatonia geralmente precede um processo de Anástase iniciado após algum trauma ou desapontamento emocional / sentimental extremo. Nessas ocasiões, o ego perde sua função (de censurar os sinais recebidos pelos nervos) e há vislumbres da manifestação da inteligência nativa. Então, a mente percebe que o medo e a paz são meras sensações e que essas sensações não precisam ser as mais deletérias.

O corpo é objetivo. Ela existe, tem forma e localização.

O “eu” / “mim” são subjetivos. Eles são conceitos feitos pelo homem.

As “Regras de Ouro” de A Arte Sinestésica da Contemplação.

 

PARA ADQUIRIR O E-BOOK E/OU O LIVRO IMPRESSO CLIQUE AQUI

Contracapa

PREGUNTAS RECIENTES DE UN LECTOR EUROPEO DEL LIBRO “EL ARTE SINESTÉSICO DE LA CONTEMPLACIÓN”: Movimiento New Age, Cultos, Honestidad entre otros temas.

LECTOR: Interesante, ¿no? Ahora la gente incluso comienza a vender cursos de iluminación.

PROFE. IMOTO: ¡Ja, ja! ¡Crear Superego es fácil, de hecho!

LECTOR: Sí.

PROFE. IMOTO: Observa cómo nacen los cultos: alguien se presenta como un “Iluminado”, como un “Ser Especial”, o como un anónimo que por su propio esfuerzo ha conquistado un lugar por encima de los demás. Esta actitud segura de sí mismo atraerá a otros egos que también quieren convertirse en Superyó. Con seguidores, el sistema se expande y se propaga. Y solo cuando se enfrenta a otro sistema más grande de sectas se detiene. Pero incluso si se limita a un gueto, esa secta seguirá sobreviviendo, drenando a sus leales seguidores.

Cualquier agrupación de personas en torno a una idea o personalidad son básicamente estrategias del ego para perpetuarse cambiando todo (excepto a sí mismo) para mantener todo como está.

Después de que el animismo se convirtió al chamanismo para vender productos y servicios en el mercado New Age, ya nada me sorprende.

LECTOR: Verdadero.

PROFE. IMOTO: Entonces, no me importa si usted o cualquier otro lector intenta convertir El Arte Sinestésico de la Contemplación en una secta. Tan pronto como el primer “seguidor” tenga una serie de experiencias contemplativas en sinestesia, dejará el grupo para vivir su propia vida con seguridad y bienestar. Es infalible.

LECTOR: Esa es la gran ventaja de esto.

PROFE. IMOTO: Escribo con la única intención de compartir una alternativa para mis compañeros que también estaban en conflicto con el ego, pero no sabían cómo ir más allá. Si quisiera ganar miles de dólares, me bastaría con escribir libros que elogien el Estado y la Sabiduría Antigua de nuestros antepasados.

LECTOR: Es cierto, no tengo ninguna duda al respecto. Pareces muy honesto sobre todas estas cosas.

PROFE. IMOTO: Otra razón, aunque secundaria, es que fue la única forma que encontré de posponer el proceso de control absoluto y despoblación sistemática que se viene dando desde hace algunas décadas. Ver esta película mexicana puede ayudarlo a comprender este punto que muchos se niegan siquiera a considerar:

 

 

Conozco la Ciudad de México y ya he visitado algunos sitios arqueológicos allí. Lo que más me sorprendió y sé que vivo en otro país con una enorme desigualdad social, es el sistema de castas (o clases, como prefieras) cultivando un resentimiento social que muestra lo peligroso que puede ser un ego herido y subyugado. Y esto, obviamente, asusta y genera reacciones de las élites (también compuestas por egos y Superyó).

Un planeta sistemáticamente despoblado y controlado militarmente es solo una distopía para aquellos que sobreviven en las castas más bajas. Para la élite, es una utopía total, llena de comodidades materiales, amor libre y avances tecnológicos. En este sistema esclavo en el que vivimos, este será el siguiente paso. Es predecible para la inteligencia nativa de muchos pensadores de todo el mundo. Y al mismo tiempo, inevitable.

El científico racional Bill Gaede me dijo:

“— ¡Vivimos tiempos extraños, Luke! Prepárate para lo peor y … duerme con un ojo abierto”.

Pero estos no son tiempos extraños en los que miramos sin el velo del ego al mundo objetivo y observamos los eventos que nos rodean. Por tanto, no tenemos por qué vivir con miedo si todas las estratagemas actuales nos llevan a la extinción parcial. Hasta entonces, y eso puede pasar en unos años o décadas, lo importante es estar vivos y contemplando el mundo objetivo, mientras podamos.

Como padre / autor de El Arte Sinestésico de la Contemplación, no animo ni desanimo a los lectores que tengan la intención de escribir libros electrónicos, podcasts, blogs… sobre la sinestesia contemplativa. Esto puede dejar a algunos perplejos. Pero en un mes o dos, verán por sí mismos que su decisión fue correcta. No debes tener miedo de arriesgarte o atreverte a compartir tus experiencias de contemplación sinestésica con tus compañeros.

Tengo otra buena noticia para ti: con un Superyó, es decir, con un ego cristalizado como el vidrio, será más fácil romperlo y superar este estado alterado de conciencia. ¡Pero solo si este Superyó comprende que es la única barrera entre la mente y el mundo objetivo!

LECTOR: Estuve atrapado en la ideología marxista y comunista durante mucho tiempo, aunque nunca simpaticé con los individuos. Creo que la mayoría de ellos realmente no ven al capitalismo como un mal sistema para los humanos, sino que ven a los ricos como el problema. Ahora también entiendo que todas las utopías y otras ideologías son solo una cara diferente del censor, del ego.

Pero mi pregunta es, ¿cómo sé si tengo un Superyó o no?

PROFE. IMOTO: De las diversas formas de detectar (y percibir) un Superyó, la ausencia de sinestesia contemplativa es la mejor pista. UG Krishnamurti afirmó que sus sentidos, después de “Calamidad” (una Anastasis incompleta), comenzaron a operar independientemente unos de otros. Estaba a un paso de la contemplación en la sinestesia, pero se estancó en ese estado alterado de “conciencia” (el “Yo análogo” como lo definió Julian Jaynes) y murió en él.

Afortunadamente, incluso un Superyó puede experimentar y despertar la contemplación sinestésica en el momento que elija. Pero si este Superyó insiste en confundir esta experiencia con algo místico o espiritual, reforzará aún más su autoengaño. Es un cuchillo de doble filo.

Cuando UG Krishnamurti murió en 2007, yo estaba intercambiando correos electrónicos con un amigo suyo, el Sr. Mukunda Rao. Teníamos la intención de lanzar “La Mística de la Iluminación” en Brasil a través de la editorial donde trabajaba. En ese momento, por el contenido de los mensajes que recibí acompañando los últimos días de UG, vi lo consternados y tristes que estaban sus amigos (de hecho, muchos seguidores). Yo, por otro lado, sentí un alivio cuando el Sr. Rao me dijo que UG había fallecido. No entendí este alivio cuando me enteré de la muerte de UG, pero unos años después se hizo evidente: la vida en ese estado alterado de conciencia, ni en el trance bicameral del esquizofrénico ni en el estado ególatra de la masa, consumía tu cuerpo como un cáncer mental (lo comenté en un grupo dedicado a la UG en Facebook y el administrador del grupo me desterró…). Sospecho que unos segundos antes de que UG muriera, se deshizo de ese enorme estado alterado de Superego que pocas personas alcanzaron. Unos segundos antes de la muerte, el cerebro libera sustancias como DMT y hormonas que también son secretadas durante una experiencia de contemplación sinestésica.

LECTOR: Muy interesante. Entonces, ¿crees que cuando la gente entre en el proceso de morir, al final todos estarán en contemplación cinestésica? Una vez tuve un ataque de pánico, no podía moverme y no podía recuperar el aliento. Sentí que iba a morir en los próximos minutos, pero en lugar de entrar en pánico, de alguna manera me sentí en paz con eso y mi cuerpo tomó el control. No hubo miedo en absoluto.

PROFE. IMOTO: Los informes de experiencias cercanas a la muerte también están llenos de estas descripciones típicas de la unión de los sentidos, creando una sensación de cercanía al mundo objetivo. Pero el trasfondo religioso (o agnóstico) de las personas adorna esta experiencia: los cristianos ven las puertas del Cielo (o del Infierno), otros ven una cueva-túnel (la visión de túnel que precede a la unión de la visión con los otros sentidos) y otros también una luz, extraterrestres, viejos amigos, parientes fallecidos, etc. Después de eso, el ego, en la mayoría de los casos, queda paralizado, inerte. El libro “Shamanic Graffiti” proporciona más detalles sobre cómo los alucinógenos psicodélicos, incluidos los producidos por el propio cerebro (y su DMT es el más poderoso), están presentes en estas experiencias de disolución del ego y no de “muerte del ego”.

 

“…Una vez tuve un ataque de pánico, no podía moverme y no podía recuperar el aliento. Sentí que iba a morir en los próximos minutos, pero en lugar de entrar en pánico, de alguna manera me sentí en paz con eso y mi cuerpo tomó el control. No hubo miedo en absoluto.”

 

Sí. Esta catatonia generalmente precede a un proceso de Anastasis iniciado después de algún trauma o decepción emocional / sentimental extrema. En estas ocasiones, el yo pierde su función (de censurar las señales que reciben los nervios) y se vislumbran la manifestación de la inteligencia nativa. Entonces, la mente se da cuenta de que el miedo y la paz son meras sensaciones y que estas sensaciones no tienen por qué ser las más perjudiciales.

El cuerpo es objetivo. Existe, tiene forma y ubicación.

El “yo” es subjetivo. Uno concepto creado por el hombre.

Las “Reglas de Oro” de El Arte Sinestésico de la Contemplación.

 

PARA COMPRAR EL E-BOOK Y / O EL LIBRO IMPRESO HAGA CLIC AQUÍ

CONTRAPORTADA

RECENT QUESTIONS FROM A EUROPEAN READER OF THE BOOK “THE SYNESTHETIC ART OF CONTEMPLATION”: New Age market, Cults, Honesty among other topics.

READER: Interesting, isn’t it? Now people even start selling Enlightenment courses.

PROF. IMOTO: Ha-ha, to create Superegos is easily, indeed!

READER: Yes.

PROF. IMOTO: Notice how cults are born: someone presents her/himself as Enlightened, as a Special Being, or as an anonymous who, through his/her own effort, has conquered a place above others. This confident attitude will attract other egos who also want to become Superegos. With followers the system expands and spreads. And only when it run into another, larger system of sects, it stops. But even if confined to a ghetto, this sect will continue to survive by sucking its loyal followers.

Any groupings of people around an idea or personality are basically strategies of the ego to perpetuate itself by changing everything (except itself) to keep everything as it is.

After animism was converted to Shamanism to sell products and services on the New Age market, nothing surprises me anymore.

READER: True.

PROF. IMOTO: So, I do not worry if you or any other reader tries to turn The Synesthetic Art of Contemplation into a sect. As soon as the first “follower” has a series of contemplative experiences in synesthesia, s/he will leave the group to live her/his own life with safety and well-being. It is infallible.

READER: That is the great thing about it.

PROF. IMOTO: I wrote with the sole intention of sharing an alternative for my fellow men who also clashed with the ego but did not know how to go beyond it.

If I wanted to earn thousands of dollars, it would be enough to write books praising the State and the Ancient Wisdom of our ancestors.

READER: True, I don’t doubt that. You seem very honest about all these things.

PROF. IMOTO: another reason, although secondary, is that it was the only way I found to postpone the ongoing process of absolute control and systematic depopulation in force for some decades. Watching this Mexican movie can help you understand this point that many refuses to even consider:

 

 

I know Mexico City and I have already visited some archaeological sites there. What amazed me most and know that I live in another country with massive social inequality, is the caste system (or classes, as they prefer) cultivating a social resentment that shows how dangerous an injured and subjugated ego can be. And this, obviously, scares and generates reactions from the elites (also composed of egos and Superegos).

A systematically depopulated and militarily controlled planet is only a dystopia for those who are surviving on the lowest castes. For the elite it is a total utopia, full of material comfort, free love, and technological advances. In this slave system in which we live, this will be the next step. It is predictable for the native intelligence of many thinkers around the world. And at the same time, inevitable.

The rational scientist Bill Gaede told me:

“— We live in strange times, Luke! Just be prepared for the worst and … sleep with one eye opened.”

But these are not strange times when we look without the veil of the ego to the objective world and watch the events around us. Therefore, we do not need to live in fear if all the current stratagems lead us to partial extinction. Until then, and this can happen in a few years or decades, the important thing is to be alive and contemplating the objective world if we can.

As the genitor/author of The Synesthetic Art of Contemplation, I neither encourage nor discourage those readers who intend to write e-books, podcasts, blogs… on contemplative synesthesia. This may leave some of them perplexed. But in a month or two, they will see for themselves that their decision was right. You should not be afraid to risk or dare to share your experiences of synesthetic contemplation with your fellows.

I have another good news for you: with a Superego, that is, with an ego crystallized like glass, it will be easier to break it and overcome this altered state of consciousness. But only if this Superego understands that the only barrier between the mind and the objective world is … it!

READER: I got trapped in the Marxist and communist Ideology for a long time although I never sympathized with individuals. I think most of them do not really see capitalism as a bad system for humans but only see rich people as the problem. Now I also Understand that all utopias and other ideologies are only a different looking face of the censor, the ego.

But how do I know if I have a Superego or not?

PROF. IMOTO: Of the various ways to detect (by apperceiving) a Superego, the absence of contemplative synesthesia is the best clue. U.G. claimed that his senses, after the “Calamity” (an incomplete Anastasis), began to operate independently from each other. He was one step away from contemplation in synesthesia, but he stagnated in that altered state of “consciousness” (the Analog “I” defined by Julian Jaynes) and died in it.

Fortunately, even a Superego can experience and awaken synesthetic contemplation at any time he or she chooses. But if that Superego insists on confusing this experience with something mystical or spiritual, it will further reinforce his/her self-delusion. It is a double-edged knife.

When U.G. Krishnamurti died in 2007, I was just exchanging e-mails with an Indian friend of him, Mr. Mukunda Rao. I intended to launch “The Mystique of Enlightenment” in Brazil through the publishing house where I worked. At the time, by the content of the messages I received accompanying the last days of U.G., I saw how dismayed and sad his friends (in fact, many followers) were. I, on the other hand, felt a relief when Mr. Rao told me that U.G. had passed away. I did not understand this relief that I felt at the time of the news of U.G.’s death, but a few years later it became evident: life in that altered state of consciousness, neither bicameral nor egoic, was consuming U.G.’s body like a mental cancer (I commented on this in a group dedicated to U.G. on Facebook and I was banned from there…). I suspect that a few seconds before U.G. died he got rid of that massive Altered State of Superego that few people have reached. A few seconds before death, the brain releases substances such as DMT and hormones that are also secreted during an experience of synesthetic contemplation.

READER: Very interesting. So, do you think when people enter the process of dying they will in the end all be in synesthetic contemplation? I once had a panic attack, was not able to move and did not catch breath. I felt like I will die in the next minutes but instead of panic I felt somehow at peace with it and my body took over. There was no fear at all.

PROF. IMOTO: The accounts of near-death experiences are also full of these typical descriptions of union of the senses creating a sense of proximity to the objective world. But the religious (or agnostic) background of everyone adorns this experience: Christians see the doors of Heaven (or Hell), others see a cave-tunnel (the tunneling vision that precedes the union of vision with the other senses) and others also a light, aliens, old friends, deceased parents, etc. After that, the ego, in most of these cases, is paralyzed, inert. The book “Shamanic Graffiti” has more details on how psychedelics hallucinogens, including those secreted by the brain itself (and its DMT is the most powerful), are present in these ego-dissolving, not “ego-death”, experiences.

 

“…I once had a panic attack, was not able to move and did not catch breath. I felt like I will die in the next minutes but instead of panic I felt somehow at peace with it and my body took over. There was no fear at all.”

 

Yes. This catatonia usually precedes an anastasis process initiated after some trauma or extreme emotional / sentimental disappointment. At such times, the ego loses its function (censoring the signals received by the nerves) and there are glimpses of the native intelligence manifesting itself. Then the mind realizes that fear and peace are mere sensations, and that it does not need to be in the most deleterious.

Body is objective. It exists, has shape and location.

The “I”/ “Me” are subjective. They are man-made concepts.

The “Golden Rules” of The Synesthetic Art of Contemplation.

 

TO PURCHASE THE E-BOOK AND/OR THE PRINTED BOOK CLICK HERE

BACK COVER

Envie um Comentário

Fechar

A Academia Imoto NÃO É uma franquia. Somos uma FAMÍLIA. Nossas principais modalidades e cursos são EXCLUSIVOS e orientados para turmas pequenas e aulas particulares com o objetivo de acelerar resultados com máxima economia de tempo e recursos aos nossos alunos e clientes.

Atendimento

Segunda à Sexta:
08:00 – 20:00

Sábado:
08:00 – 13:00

Siga-nos
Academia